segunda-feira, 28 de novembro de 2011



A Polícia Militar do Estado de Goiás possui um novo comandante. Tomou posse hoje, no pátio da Academia Militar, no setor leste universitário, o coronel Edson Costa Araújo.

Em uma cerimônia militar, o coronel Edson assumiu a função em substituição ao coronel Raimundo Nonato. “Vamos intensificar o policiamento na região metropolitana e no entorno de Brasília. Temos como meta reduzir a taxa de criminalidade nestas regiões, principalmente, os índices de latrocínio, homicídios, furtos e roubos de veículos e as famosas saidinhas de banco.Anunciamos também que a ROTAM deve voltar as ruas, com maior efetivo, além de farda e viaturas caracterizadas de preto”, explicou o novo comandante geral.

Raimundo Nonato agradeceu a todos que colaboraram com a sua estão e afirma sair com sentimento de dever cumprido. “Deixo o comando da Polícia Militar com a certeza do dever cumprido. Enfrentamos muitas dificuldades, vencemos algumas e outras, ainda precisam ser vencidas. Tenho a certeza de que o meu melhor foi feito e que tivemos muitas vitórias, e vencemos muitas crises no período em que estive no comando geral”, ressaltou Raimundo Nonato.

O coronel Edson afirmou que mudanças serão feitas e logo serão anunciadas para toda a população.


sexta-feira, 25 de novembro de 2011

MUITO BOM!!!!!


Toca o telefone... - Alô.
- Alô, poderia falar com o responsável pela linha?
- Pois não, pode ser comigo mesmo.
- Quem fala, por favor?

- Edson.
- Sr. Edson, aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção OI linha adicional, onde o Sr. tem direito...

- Desculpe interromper, mas quem está falando?
- Aqui é Rosicleide Judite, da OI, e estamos ligando...
- Rosicleide, me desculpe, mas para nossa segurança, gostaria de conferir alguns dados antes de continuar a conversa, pode ser?
- Bem, pode..
- De que telefone você fala? Meu bina não identificou.
- 10331.

- Você trabalha em que área, na OI?
- Telemarketing Pro Ativo.
- Você tem número de matrícula na OI?
- Senhor, desculpe, mas não creio que essa informação seja necessária.
- Então terei que desligar, pois não posso ter segurança que falo com uma funcionária da OI. São normas de nossa casa.
- Mas posso garantir....
- Além do mais, sempre sou obrigado a fornecer meus dados a uma legião de atendentes sempre que tento falar com a OI.
- Ok.... Minha matrícula é 34591212.
- Só um momento enquanto verifico.
(Dois minutos depois)
- Só mais um momento.
(Cinco minutos depois)
- Senhor?
- Só mais um momento, por favor, nossos sistemas estão lentos hoje.

- Mas senhor...
- Pronto, Rosicleide, obrigado por ter aguardado. Qual o assunto?

- Aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção, onde o Sr. tem direito a uma linha adicional. O senhor está interessado, Sr. Edson?
- Rosicleide, vou ter que transferir você para a minha esposa, porque é ela que decide sobre alteração e aquisição de planos de telefones.

- Por favor, não desligue, pois essa ligação é muito importante para mim.
(coloco o telefone em frente ao aparelho de som, deixo a música Festa no Apê do Latino
tocando no Repeat (quem disse que um dia essa droga não iria servir para alguma coisa?), depois de tocar a porcaria toda da música, minha mulher atende:
- Obrigado por ter aguardado.... pode me dizer seu telefone pois meu bina não identificou..

- 10331.
- Com quem estou falando, por favor.
- Rosicleide

- Rosicleide de que?
- Rosicleide Judite (já demonstrando certa irritação na voz).

- Qual sua identificação na empresa?
- 34591212 (mais irritada agora!).

- Obrigada pelas suas informações, em que posso ajudá-la?
- Aqui é da OI, estamos ligando para oferecer a promoção, onde a Sra tem direito a uma
linha adicional. A senhora está interessada?
- Vou abrir um chamado e em alguns dias entraremos em contato para dar um parecer,
pode anotar o protocolo por favor.....alô, alô!

TUTUTUTUTU...
- Desligou.... nossa que moça impaciente!

SE ESSA MODA PEGAR ... AGORA É A NOSSA VEZ !!!
VAMOS FAZER ISSO MESMO! REPASSEM POR FAVOR

domingo, 20 de novembro de 2011

Preso o assassino de Cabo Hipólito


Preso o assassino de Cabo Hipólito

Mega operação policial terminou no final da tarde de ontem, 17 de novembro, e culminou com a prisão de Roberto Leres da Silva



Mais de 100 policiais participaram ontem de uma mega operação na cidade de Rio Verde, que buscava encontrar Roberto Leres da Silva, de 25 anos, vulgarmente conhecido no mundo do crime por Japão. Roberto é acusado de ter sido ao autor dos disparos que vitimaram na quarta-feira o cabo Hipólito, policial militar.


Roberto Leres da Silva foi encontrado na Vila Menezes, abrigado em uma residência no local por Jaílson Batista Rocha Júnior, que também foi preso. Ele é suspeito de ser o responsável por tentar tirar Roberto da cidade, fugindo das garras da Polícia.


Após a prisão, Roberto confessou o crime e indicou aos policiais onde estava escondida a arma usada para atirar contra Cabo Hipólito. O outro bandido envolvido no crime que vitimou o policial, Maílson do Lago, está internado em estado gravíssimo no Hospital de Urgências de Santa Helena.


Clicando no ícone “Vídeos”, logo acima, você confere as reportagens da TV Riviera sobre a operação que culminou na prisão do assassino de Cabo Hipólito. O crédito para a foto do assassino é de Ely Nogueira, do site Plantão Policial RV.

Comentários publicados

roseny
18/11/2011 às 14:38:57
achei super fantastica a mega operacao policial que se formou para capiturar o assassino,moro na vila menezes e numca vi nada igual mas poderia ser assim tambem quando matam um pai de familia...parabens a policia pela eficiençia..
Antônio Júnior
18/11/2011 às 13:54:37
Lamentável o fatídico episódio que arrebatou a vida do Cabo Hipólito. O fato chama a atenção para a negligência dos policiais de um modo geral para com os cuidados que sua nobre e arriscada profissão requer. Na ocasião do confronto, o Cabo Hipólito não estava usando seu colete. E pelo jeito isso é um hábito comum da corporação pois, segundo informações prestadas à TV RIVIERA por um integrante da PM, o acessório gera desconforto de toda ordem aos policiais (calor excessivo etc). O uso do colete deve ser de uso obrigatório por conta dos riscos próprios da profissão. Deve haver, portanto, conscientização nesse sentido para evitar danos irreparáveis como no caso em comento. Desconforto maior, por certo, será o da família do militar que ora chora a morte de seu ente querido. Outro ponto digno de nota foi o esforço empreendido pelas polícias (militar e civil) para localizar e prender o desditoso marginal autor do homicídio do Cabo Hipólito. A corporação de Rio Verde (auxiliada por policiais da Capital) mobilizaram para cumprir o desiderato: prender o bandido. E cumpriram. Não há, acredito, registro nessa cidade de uma operação tão diferenciada, incisiva e eficaz como a que ocorrera. Justa e necessária, registre-se. A criminalidade, certamente, não estaria campeando solta em Rio Verde se houvesse o mesmo esforço envidado pelas autoridades policiais na elucidação de crimes dessa natureza, ou não, que acometem pessoas do povo (cidadãos comuns). Tal comprometimento, no entanto, não se observa no dia-a-dia, o que é lamentável sob todos os aspectos. Por fim, o presente caso nos remete a uma reflexão acerca do caráter ressocializador da pena diante de um sistema prisional pernicioso e falido. Será que esse marginal, Roberto Leres da Silva, 25 anos, sairá apto ao convívio social após cumprir sua pena? Receio que não. A sociedade, por sua vez, envolta em grande comoção decorrente do fato e cansada de ver injustiças onde deveria haver Justiça, sugere a pena maior (de morte) em casos como tal. Referido clamor popular esbarra em nossa Constituição Federal (Art. 5º, inciso XLVII, alínea “a”), mas, cá entre nós, bem que poderia haver uma brecha na lei. Que Deus recepcione com pompas o aguerrido Cabo Hipólito e lhe proporcione um merecido descanso. À família enlutada, meus sinceros pêsames.
Gustavo
18/11/2011 às 12:58:14
Este é um caso de repercursão porém será que não existem mais por ai que ninguém anuncia na mídia? Bom prefiro acreditar que ele será julgado mas não será novidade se ele aparecer com a boca cheia de formiga daqui uns 2 meses.
Vitor
18/11/2011 às 12:53:41
Sinto muito pela morte do policial e fico realmente aliviado com a prisão de mais um bandido. Mas sera que vamos ver alguma mega operação quando um vagabundo tirar a vida de um pai de familia que nao seja policial ou alguem importante politicamente? Eu nunca vi mas espero que isso mude e nao tenha que morrer mais nenhum policial para termos outra mega operação para prender bandidos que estão tomando conta de nossa cidade.
Débora
18/11/2011 às 12:12:23
É coincidência ou só porque foi um policial que morreu, que teve buscas tão rigorosas e obteve sucesso rápido?
Renato Haro
18/11/2011 às 12:06:17
Ó coitado...
Renato
18/11/2011 às 11:48:51
O Unico problema dos policias em Geral e que quando querem prender o trabalho e feito ne mais quando e para fazer qualquer outra coisa nada e feito como se diz entra por um ouvido e sai pelo outro. Ta certo que morreu um policial mais precisa morrer um policia para a policia fazer uma mega operação... Mega operação deveria ser feito todos os dias garanto que nao teria o tanto de bandidos e marginais que tem em Rio Verde.
henrique
18/11/2011 às 11:21:47
Que bom que foi preso, mais fico com uma pergunta: Se fosse o comerciante, ou um pai de família, será que ele estaria preso agora? será que tinha juntado mais de 100 policias para prender ele? isso no mostra que quando a policia quer ela consegue...
joelma
18/11/2011 às 11:11:31
achei a operação que fizeram exelente, mas na minha opinião nao deveriam fazer essas operações quando se tratarem apenas de morte de policiais mas sim de qualquer ser humano, pq todos nos temos direitos iguais de justiça.
Lu.moraes
18/11/2011 às 11:06:37
Eu como comerciante da cidade,gostaria de saber mais detalhes:por exemplo esse moço trabalhava aqui?ou estava aqui só para praticar crimes?
Leidiane
18/11/2011 às 11:00:16
Direitos Humanos? Ele não pensou nos direitos humanos quando tirou a vida do Cabo Hipólito!!!
regina
18/11/2011 às 10:19:51
sabemos que a polícia sempre esta pronta para matar ou morrer pois eles são sabedores disso quando fazem juramento , e isso implica dizer que tirar a vida de quem quer que seja, jamais será correto.
angela
18/11/2011 às 08:56:59
será q ficara vivo... tomara q não!
18/11/2011 às 08:53:15
Meus parabéns a polícia militar que se empenhou e conseguiu pegar esse assassino que gerava riscos para a sociedade. Só espero que a justiça seja feita. Porque de nada adianta, o esforço que os nossos policiais fazem, e a justiça não ser feita, ou por muitas vezes ser feita de forma incorreta deixando esses meliantes soltos na rua. Vamos lá juiza e promotor, usa tudo que vcs aprenderam estudando que nem loucos para chegarem aonde estão e sejam justos colocando esse infeliz atrás das grades e deixando ele mofar na cadeia sem regalias... E que vá pro inferno os direitos humanos!!!!

O ÚLTIMO ADEUS!


Foi, sem dúvida, o momento mais triste para a Polícia Militar de Rio Verde. Ver nosso irmão, um policial tão querido, tombado em combate. No fim da tarde de ontem (17) ocorreu o sepultamento de um homem honrado, elogiado por comandantes, pares e subordinados e por toda sociedade Rioverdense. O velório aconteceu na própria casa do cabo Luiz Hipólito a pedido de sua esposa.

Enquanto o corpo do policial estava sendo velado, o comando do 8º CRPM reuniu toda a tropa no quartel inclusive com o apoio do GRAER e de policiais de outras cidades que vieram se despedir do querido irmão de farda. Com informações repassadas pela Polícia Civil sobre a possível localização do foragido, cerca de 100 policiais iniciaram as buscas pela terra e pelos ares no intuito de encontrar o jovem assassino. A notícia sobre a prisão do suspeito viera no mesmo momento em que o corpo fora transportado pelo Corpo de Bombeiros ao cemitério.


Em meio a momentos de muita comoção e lembranças, pudemos nos despedir e prestar as últimas homenagens. A equipe do GRAER, composta pelo major Moura, pelo capitão Câmara, pelos sargentos Rhangel e Walker e pelo soldado Wandson, além participarem nas buscas pelo infrator, em um momento especial jogaram do Falcão, aeronave da Polícia Militar, pétalas de cerca de 250 rosas brancas sobre as centenas de pessoas que acompanhavam o último Adeus cabo Hipólito.

A ULTIMA REUNIÃO ENTRE OS IRMÃO




Quando me levantei pela manhã, ansioso fiquei, pois faria a primeira grande reunião com a tropa do 2º BPM, desde que assumi o comando, juntamente com o major Leão na 38ª CIPM, planejamos uma reunião diferente, queria dar um tratamento à altura do que a tropa rio-verdense merece, para tanto reservamos o melhor auditório da cidade com poltronas macias, carpetes felpudos no piso e ar condicionado silencioso. Um delicioso café da manhã para 250 pessoas foi providenciado, servido por garçons e acompanhado de perto pela equipe do coquetel, fotógrafos profissionais para cobrir o evento e uma pauta cuidadosamente preparada ressaltando no seu contexto as conquistas alcançadas no ano de 2011 e, sobretudo também a gratidão pela alta produtividade da tropa.

Tudo planejado realmente com muito esplendor, a reunião transcorreu de acordo com o previsto, não fosse um fato inusitado e em meio aos mais de duzentos rostos presentes no auditório levantou-se um policial militar e dada a palavra, ele que quase não se expressava nas reuniões, no entanto, foi o centro das atenções levantando assuntos pertinentes, e foi assim por três vezes chamando a atenção de todo o público. Parece que todos nós estávamos alí para lhe prestigiar e dizer “Muito Obrigado, Cabo Hipólito, Valeu a Pena”.

Você sempre esteve à frente das mais diversas ocorrências, sua honestidade e a retidão de caráter eram inabaláveis, pronto sempre estava para combater o crime. Pai de família exemplar sempre nas rodinhas com os amigos não deixava de expressar o seu amor por seus filhos e sua família que lhe impeliam muito orgulho. Não sabíamos nós que aquela reunião na verdade era uma despedida que o destino estava preparando para este valoroso policial militar, pois logo após retornou para o patrulhamento e em defesa as sociedade, algumas horas depois veio a tombar na troca de tiros com marginais. A tristeza e a comoção tomaram conta da tropa, pois todos nós estávamos com você há pouco, nos confraternizando, como pôde isto acontecer.

A dor e a tristeza calaram fundo em todos nós, policiais militares. Morto em combate, só nos resta lamentar a tristeza por essa precoce perda de tão nobre Policial Militar, que sem dúvida não passou em branco nessa vida, porque para nós que te conhecemos desde seu início na Polícia Militar, você estava predestinado a ser um Herói. Obrigado amigo, irmão de farda e pai de família, Cb Hipólito, embora a morte de seu corpo seja real você sempre estará vivo em nossos corações. Parabéns Herói da Polícia Militar Goiana. Orgulhamos Muito de Ti.

Wilmar Rubens Alves Rodrigues TenCel QOPM
Comandante do 2º BPM

NOTA DE FALECIMENTO



É com imenso pesar que informamos o falecimento do cabo da PMGO Luis Hipólito de Rezende, que era lotado na 38ª CIPM em Rio Verde.
O referido policial, juntamente com sua equipe, foi atender uma ocorrência de roubo a um estabelecimento comercial, no local houve troca de tiros, ocasião em que o militar foi ferido fatalmente no peito.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Garoto morre após se masturbar 42 vezes seguidas



Uma tragédia chocou os moradores de Rubiataba, interior do Goiás. Um adolescente de 16 anos morreu após se masturbar 42 vezes sem parar. Segundo relatos, ele havia começado por volta da meia noite, e virou a noite toda fazendo as sequencias de masturbação sem dar intervalo. Terminava uma e começava outra.

A mãe do menino já desconfiava de sua compulsividade por praticar o ato. “Era de hora em hora, igual o resultado da tele-sena, já tinha programado até de leva-lo ao médico”, contou a mãe do jovem.

Na escola onde o adolescente estudava, os colegas de classe fizeram uma homenagem. Uma de suas colegas, em conversa com a reportagem de G17, disse que o garoto era tão compulsivo que sempre lhe pedia para ligar a Web-cam, pela internet, de madrugada.

No computador do adolescente foi encontrado cerca de 17 milhões de vídeos eróticos e de 600 milhões de fotos.
Mãe já desconfiava compulsividade do adolescente e disse que ele fazia de hora em hora.


FONTR. http://www.g17.com.br/noticia.php?id=99

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Passeata na Cidade Universitária reuniu centenas nesta segunda-feira (31).
Protestos começaram na quinta (27), após prisão de alunos com maconha.

Estudantes da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) fizeram novo protesto nesta segunda-feira (31), pedindo a saída do reitor da instituição, João Grandino Rodas, bem como a revogação de um convênio assinado com a Polícia Militar para intensificar as rondas na Cidade Universitária, na Zona Oeste da capital. Eles chegaram a fechar uma rua ao lado da universidade.

Os protestos começaram na quinta-feira (27), quando três alunos foram flagrados pela PM com maconha. Colegas de faculdade tentaram impedir que eles fossem levados para a delegacia, onde, posteriormente, assinaram termo circunstanciado por porte da droga.

Quando finalmente os alunos eram levados, centenas de estudantes cercaram os carros das polícias Civil e Militar e tentaram impedir sua saída. Houve bate-boca e o confronto começou quando um cavalete foi jogado sobre os PMs. Enquanto a polícia usava cassetetes e bombas de gás lacrimogêneo, os manifestantes jogavam pedras. Seis veículos policiais foram depredados. Os alunos, então, invadiram o edifício da administração da FFLCH. Na tarde desta terça-feira (1º), está prevista nova assembleia dos estudantes para decidir se continuam ou não com o movimento.

A assessoria de imprensa da USP diz que o reitor João Grandino Rodas não tem competência para ordenar a retirada da Polícia Militar da Cidade Universitária. Segundo a assessoria, a decisão de firmar um convênio com a PM para aumentar o policiamento no campus foi tomada pelo Conselho Gestor da USP, presidido pelo diretor de uma das unidades e composto por representantes de todas as unidades presentes no espaço, além de representantes de professores, funcionários e estudantes.

Ainda de acordo com a assessoria, a reitoria não decidiu a estratégia para lidar com a ocupação do edifício pelos estudantes. Mas a decisão de pedir ou não na Justiça a reintegração de posse do prédio administrativo da FFLCH compete à diretora da unidade, Sandra Margarida Nitrini.

Em maio, integrantes do conselho pediram a nova medida como reação à morte do estudante Felipe Ramos de Paiva, de 24 anos, ocorrida na noite de 18 de maio. O jovem foi baleado quando se aproximava de seu carro em um estacionamento da Faculdade de Economia e Administração (FEA). Dois homens presos pelo crime foram indiciados por latrocínio.

A decisão do conselho foi aprovada por ampla maioria, com apenas um voto contra, o do representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE).